terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Nesse carnaval, caso não viaje, dê um tempo para folia e faça uma boa ação: doe sangue!


Em feriados prolongados como o do Carnaval, a Fundação Pró-Sangue sempre registra queda de doação de sangue e, é justo nesse período que há um aumento de solicitação de sangue pelos hospitais. O estoque do mês de fevereiro está 50% abaixo do ideal. É por isso que a Pró-Sangue pede para que as pessoas doem durante o período carnavalesco.

Mais informações no Alô Pró-Sangue 0800 55 0300.

Requisitos para doação de sangue:

Estar alimentado e descansado.
Ter entre 16 e 69 anos e pesar no mínimo 50kg.
Apresentar documento original com foto.

COLETA NO FERIADO DE CARNAVAL

Posto Clínicas

Av. Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 155 1º andar - Cerqueira César - São Paulo
Dia 25/02 (sábado): das 8 às 17h00
Dia 27/02 (segunda-feira): das 8 às 17h00
Dia 28/02 (terça-feira): das 8 às 17h00 (Carnaval)
Dia 01/03 (quarta-feira): das 8 às 18h00 (Quarta-feira de Cinzas) 


Posto Regional de Osasco

R. Ari Barroso, 355 - Presidente Altino - Osasco
Dia 25/02 (sábado): das 8 às 16h00  
Dia 27/02 (segunda-feira): das 8 às 16h30 
Dia 01/03 (quarta-feira): das 13 às 16h30 (Quarta-feira de Cinzas) 


Posto Barueri

R. Angela Mirella, 354 Térreo - Jd. Barueri - Barueri
 Dia 01/03 (quarta-feira): das 13 às 16h00 (Quarta-feira de Cinzas) 


Posto Mandaqui

R. Voluntários da Pátria, 4227 - Mandaqui - São Paulo
Dia 27/02 (segunda-feira): das 12h45 às 18h00  
Dia 01/03 (quarta-feira): das 13 às 18h00 (Quarta-feira de Cinzas) 

Radar multa em trecho de mudança de velocidade na Marginal Pinheiros próximo a Rua da Paz... fique de olho aberto!

Quatro radares foram reposicionados e monitoram na Marginal Pinheiros a transição de 90 km/h para 60 km/h na transferência da pista expressa para a pista local no trecho localizado na altura da Rua da Paz, nas imediações da Chácara Santo Antônio. A via conta com dois radares, um de cada lado. O motorista que não se atenta aos radares no trecho e excede em 20% o limite da velocidade paga multa no valor de R$ 130,16. Quem exceder de 20% a 25% velocidade comete infração grave e recebe multa de R$ 195,23. Trafegar com velocidade 50% maior do que o permitido é infração passível de multa no valor de R$ 293.

O SindimotoSP orienta que o motociclista profissional fique atento as placas de advertência e respeite os limites de velocidade. Quem ganha com isso, é você!



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Fique dentro da lei do motofrete mesmo que a moto não esteja em seu nome

A moto que você trabalha não está em seu nome, mas você quer regularizar-se obtendo o Condumoto e a Licença Motofrete (placa vermelha)? Basta preencher o Contrato de Composse (modelo acima) com os dados do proprietário da motocicleta que consta na documentação, dirigir-se ao Cartório de Títulos (Rua XV de Novembro, 251) e registrar o documento. Não é necessário reconhecer firma desse documento, o DTP aceita apenas o "registro" conforme citado acima. Mais informações ou dúvidas venha ao SindimotoSP em horário comercial de segunda a sexta e fale com o Marcos do Departamento de Condumoto e Licença Motofrete. Ressaltamos que as orientações sobre emissão do 1º Condumoto e da 1ª Licença Motofretre (placa vermelha) estão sendo feitas no DTP - Rua Joaquim Carlos, 675 - Pari. 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Horário de verão termina à meia-noite de amanhã. Atrase seu relógio em uma hora.

O horário de verão termina à meia-noite de amanhã (sábado 18/2), quando os relógios devem ser atrasados em uma hora em todo Estado de SP. 



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Empresas de aplicativo de motofrete lesam trabalhador motociclista, praticam concorrência desleal e podem quebrar o setor

As empresas de aplicativo estão destruindo as relações trabalhistas construídas entre SindimotoSP, trabalhadores motociclistas, empresas convencionais de motofrete e Ministério do Trabalho através de um discurso de apenas "intermediação" entre motofretistas e tomadores de serviço.

Isso é uma inverdade, pois elas ditam preços, formas e normas de trabalho, padronizam serviços, monitoram o profissional, cedem uniformes e baús que divulgam a empresa, determinam jornadas extensivas, entre outras irregularidades. Quando começaram os serviços prometiam ganhos superiores em comparação com os funcionários registrados em carteira. Esses profissionais foram seduzidos, abandonaram a segurança oferecida pelas empresas e agora, trabalham em jornada exaustiva, já tiveram os valores do frete reduzidos várias vezes e, quando não aceitam serviços de preços menores que um motofretista recebe pela tabela do SindimotoSP, são punidos com desligamentos temporários e até excluídos da plataforma.

O SindimotoSP já denunciou essas empresas para o Ministério Público do Trabalho e Ministério do Trabalho e Emprego porque elas precarizam as relações trabalhistas, praticam concorrência desleal com as empresas convencionais e ainda podem quebrar o setor, já que empresas formalizadas não tem conseguido concorrer com os baixos preços que as de aplicativo praticam. Aliás, as empresas de aplicativo já estão na mira das autoridades por fortes indícios de sonegação fiscal. O sindicato também não entende porque os ministérios envolvidos, que já receberam o SindimotoSP e trabalhadores do setor em reuniões, demoram tanto em tomar decisões e permitem que os profissionais sejam tratados como verdadeiros escravos em pleno século 21.

Os trabalhadores estão descontentes e, junto com o SindimotoSP já deflagraram greve no galpão da Loggi, que monopoliza e dita as regras das empresas de aplicativo. As empresas Rappido, Vai Moto, Motoboy.Com, e a Uber que está entrando, também estão dificultando a vida dos motociclistas profissionais.

O SindimotoSP junto com uma comissão de trabalhadores do aplicativo estão tentando conversar e mudar a situação com as empresas, mas tem encontrado dificuldades, falta de diálogo. Outras grandes manifestações não estão descartadas. 

As empresas de aplicativo precarizam os direitos dos trabalhadores.








Em reunião na DRT - Ministério do Trabalho o SindimotoSP intermediou acordo, porém, a Loggi não vem cumprindo o que foi acertado.

O presidente Gil reivindica junto com os motociclistas profissionais justiça e cumprimento de direitos trabalhistas. 

Na frente do Ministério Público do Trabalho a categoria mobilizada pelo SindimotoSP reivindica direitos.

Leia mais aqui, aqui e aqui.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Justiça reconhece vínculo empregatício entre Uber e motorista, diz Jornal Agora de hoje

O Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT 3) reconheceu o vínculo empregatício entre um motorista e o Uber em primeira decisão que obriga a empresa a pagar todos os direitos de um funcionário contratado como motorista que fazia corridas no estado mineiro. Durante onze meses em 2015, o trabalhador transportou passageiros em Belo Horizonte pelo Uber.
O profissional alegou na justiça que seu pagamento era por comissão e variava entre R$ 4.000 e R$ 7.000 por mês, de acordo com a produtividade registrada através do aplicativo. Ao ser dispensado sem justificativa,  recorreu à Justiça, pedindo o reconhecimento do vínculo.
Outras decisões, tanto no Brasil quanto em outros países, tem dado parecer favorável ao trabalhador que, iludido pelos altos ganhos, sujeitam-se a relação de trabalho com à empresa, como horário pré-definido de entrada e saída, aceitação de pagamento conforme estipulado pela empresa etc.
Leia mais sobre o assunto aqui, aqui e aqui.